terça-feira, 20 de julho de 2010

foi por acaso ou chegou minha vez?

Já nos 30 graças ao bom Deus... tranquilo e solteiro, porém....
já tive a tal conversa com minha mãe para evitar certas coisas bem chatas como perguntar sobre casamento.

Agora, os amigos: - Nossa, já com 30 e solteiro?
Você que namora tem ótimas qualidades não? Praticamente um exemplo a ser seguido.

O que não dá, é ficar ouvindo certas conversinhas - de mulheres, sempre elas - do tipo:

"Tenho 20 anos e nunca na vida namorei ou tão pouco beijei alguém do sexo oposto. Desde muito nova que tinha imensos complexos comigo própria..."

Mas não são só com elas:

Preciso muito de sua ajuda. Meu caso é muito peculiar. Tenho 36 anos, solteiro, sem filhos, possuo um bom emprego, um apartamento e uma aparência razoável. Atualmente moro sozinho.

Agora, não se preocupe. Se você não arrumou ninguém até agora e não for gay, entra para a Igreja que é mais fácil e pára de reclamar. Cada coisa...

Companheiro é companheiro, mesmo namorando ou "Mulher que começa a namorar esquece dos amigos"? Recentemente, duas amigas entraram para essa lista. Só duas, as outras ainda bebem comigo; adoram uma cachaça.

Namorar também pode significar ficar sem conexão com a internet, pois um outro amigo respondeu um email dois meses depois de ter sido enviado: - Desculpe, comecei e terminei um namoro nesse tempo. Que bom, respondi. Suspeito....pois qual o interesse repentino? Como alguém pode guardar uma mensagem por dois meses e responder assim de repente? Foi por acaso ou chegou minha vez?

Agora, o melhor foi essa enquete da internet:

O que responderia se o(a) seu(sua) namorado(a) o(a) questionasse sobre o número de parceiros sexuais?
Preferiria não responder. Poderia comprometer o relacionamento.
Dir-lhe-ia. Não gosto de guardar segredos da pessoa amada.
Responderia de forma vaga e mudaria rapidamente de assunto.

1 comentários:

Antonio disse...

o sempre afiado JP! :D