domingo, 27 de maio de 2007

time is money? ou não...

dinheiro é uma merda e para piorar estamos chegando cada vez mais perto da era do "não emprego". sim, o emprego propriamente dito está ser extinto. aí sim, vai ser um salve-se quem puder.

ao meu redor só vejo pessoas fazendo de tudo - desesperadamente - por ele. ética já não existe faz tempo nesse sistema. vale o que se paga e recebe mais. se você tem, ótimo. se não, desculpe, a fila é essa.

ouço muito conselhos de que eu deveria aproveitar essa boa fase para garantir meu futuro. foda-se. que futuro é esse? e a vida? não é pra ser aproveitada também? só se trabalha de domingo a domingo. ninguém pára para se auto analisar. os que procuram ajuda são considerados loucos. pensar diferente nesse mundo é estranho. as vezes eu fico meio desnorteado, perdido e sem referências. mas não estou sozinho... Yeah!

esporte e lazer já não existe. desculpe, lazer existe: churrasco e cerveja (somente). e some-se a isso uma vida sedentária e uma imensa barriga. está bem, vamos pensar numa coisa simples como ir ao cinema. impossível, existe os dvds piratas, ninguém gosta de legendas (eu gosto). que merda. vamos ouvir uma boa música, vamos ao cinema bem acompanhado.

"ah, então você quer uma vida mansa sem trabalho?"
eu não quero uma vida à toa. quero fazer de tudo e agora. já esperei muito.

estou com umas idéias na cabeça!!! aguardem

sábado, 26 de maio de 2007

para meu amigo

vou escrever para um cachorro. sobre um cachorro.
gostaria que ele pudesse entender o que estou tentando dizer.
esse tipo de sentimento ao ser lido, assim, talvez pareça piegas ou fora de moda.
ele é um fofo e não me engana. literalmente. seu pêlo é muito macio e uma das coisas mais gostosas de se fazer é passar a mão em seu corpo peludo e negro.

todos os dias pela manhã e ao final da tarde é a mesma alegria: levá-lo para passear.
a alegria espontânea se manifesta em seu rabo. qualquer brincadeira, lá vai o rabo pra lá e pra cá. até mesmo quando ele vai comer ração.
ele é um mulecão como eu. o único que se joga no chão com ele sou eu.
essa raça de cachorro é ótima. ele é tão bom que não consegue diferenciar quem é ou não seu amigo - e nisso acho que também tenho um pouco.

dos cachorros de minha vida, esse é o mais confiável.
pode crer.

pensando bem... depois eu falo mais sobre o tobias...

quinta-feira, 24 de maio de 2007

How To Fight Loneliness - Wilco

How to fight loneliness
Smile all the time
Shine you teeth til meaningless
Sharpen them with lies

And whatevers going down
Will follow you around
Thats how you fight loneliness
You laugh at every joke
Drag your blanket blindly
Fill your heart with smoke
And the first thing that you want
Will be the last thing you ever need
Thats how you fight it

Just smile all the time

tem remédio


um grande amigo disse que tem remédio!!! ufa! pelo menos alguém que concorda - em parte - comigo.
não me decepcionou embora tenha sido irônico no início.
postei esse desenho em sua homenagem já que foi ele quem fez.

morte e chocolate

"Com absoluta sinceridade, tento ser otimista a respeito de todo esse assunto, embora a maioria das pessoas sinta-se impedida de acreditar em mim, sejam quais forem meus protestos. Por favor, confie em mim. Decididamente, eu sei ser animada, sei ser amável. Agradável. Afável. E esses são apenas os As. Só não me peça para ser simpática. Simpatia não tem nada a ver comigo.

REAÇÃO AO FATO SUPRACITADO

Isso preocupa você? Insisto - não tenha medo. Sou tudo, menos injusta.
...
As pessoas só observam as cores do dia no começo e no fim, mas, para mim, está muito claro que o dia se funde através de uma uma multidão de matizes e entonações, a cada momento que passa.
Uma só hora pode consistir em milhares de cores diferentes.
Amarelos céreos, azuis borrifados de nuvens. Escuridões enevoadas.
A pergunta é: qual será a cor de tudo nesse momento em que eu chegar para buscar você? Que dirá o céu?
Pessoalmente, gosto do céu cor de chocolate. Chocolate escuro, bem escuro. As pessoas dizem que ele condiz comigo. Mas procuro gostar de todas as cores que vejo - o espectro inteiro. Um bilhão de sabores, mais ou menos, nenhum deles exatamente igual, e um céu para chupar devagarinho. Tira a contundência da tensão.
Ajuda-me a relaxar."
...
O que, por sua vez, me traz ao assunto de que lhe estou falando esta noite, ou esta manhã, ou seja lá quais forem a hora e a cor. É a história de um desses sobreviventes perpétuos - uma especialista em ser deixada para trás.
É só uma pequena história, na verdade, sobre, entre outras coisas:
* Uma menina
* Algumas palavras
* Um acordeonista
* Uns alemães fanáticos
* Um lutador judeu
* E uma porção de roubos

Vi três vezes a menina que roubava livros."


A menina que roubava livros - Markus Zusak

terça-feira, 22 de maio de 2007

not for sale


a cadeira esmagou a minhoca.
que culpa tinha ela? as flores também tem espinhos e mesmo assim são belas e coloridas.
mas o que tem a ver? a minhoca? e a cadeira?
não era uma minhoca com a dramacidade de barata de uma Clarice, em GH.
o problema é que uma simples minhoca não tem uma boa imagem nesse mercado globalizado - ou será que tem?
tadinha. a minhoca morava numa cidade. perto de um esgoto de uma esquina qualquer.
ela não encontrava mais a terra necessária para viver. improvisava com a poeira e poluição.

tadinha. será que ela fez um êxodo rural para parar na cidade? acho que estava muito solitária no sítio ou com síndrome do pânico.
acho mais prudente dizer que caiu do caminhão de mudança ou de algum arbusto que se mexeu ao passar por uma valeta; daquela mesma esquina perto do esgoto.

enfim... a minhoca não precisava ter tantas preocupações como nós e ficar fazendo tantas perguntas. nem chegou a fazer porque não precisou.
isso me lembra das crianças que não precisam ficar explicando os motivos de seus atos e brincadeiras. nós que ficamos bobos imaginando os motivos de tanta admiração por essa inocência.

deve ser por um motivo bem simples: nós a esquecemos e não a procuramos.
e isso é algo que também não está a venda nesse mercado.

são 8h10 da manhã e escrevi isso sem pensar. não me questionem por ser irracional.
quero ser uma criança. pelo menos por 10min. daqui a pouco começam os problemas

segunda-feira, 21 de maio de 2007

basicamente é isso

os pequenos detalhes continuam a me surpreender.
agora um pouco mais que o normal.
nunca fui muito ligado a realidade racional ou até mesmo à normalidade imposta; e também nunca quis ser um radical.
na real? acho que sempre fui um imcompreendido.
mas agora não quero falar sobre isso.
meu dia foi estressante e isso não é um diário chato.

can you hear me?

The Melody Of A Fallen Tree Windsor For The Derby


Underneath the leaves where the blackbirds turn blue
If there’s room for me
There’s room for you

Place your ear to the ground, you hear a voice
It sings this song
The whole night long

I am the melody of the fallen tree
What comes between me
You and me

So sadly transient, you’d never guess
It could ever be
So easy to see

Across a frozen field you hear a call
With the urgency
Of the boiling sea

All your hopes and dreams they rise and fall
Secretly
A cacophany

The love and brutality
They all turn on me
You hope to someday see
Patiently
So sadly obvious, you’d never guess
It could ever be
So hard to see

quinta-feira, 17 de maio de 2007

viagem

Ou seria mais propício uma mudança?

Se não der certo eu volto e assisto a um show de rock!
Ou quem sabe um livro de auto ajuda....


não, eu não lerei porra nenhuma!

segunda-feira, 14 de maio de 2007

praticidade

sejamos práticos: coloquemos na balança
imaginemos a distância: ah melhor não
a vida pede pressa: é pra ontem
a realidade é outra: próximo por favor
vou ter que esperar? a fila anda
preencheu tudo: fui aprovado?
sei não... aceita cartão?
e cheque pré?
ah... quero praticidade.... tem banda larga?

quinta-feira, 10 de maio de 2007

mournfulness

valer a pena... a vida vale a pena?
a vida nos dá "segundas" chances.
detonei o carro. novo. quem vê o carro amassado não acredita como eu saí ileso.
não sei se irei tê-lo novamente. também não importa.
carro a gente compra outro.
amor não... e esse eu não quero perder.


Ben Harper & the Blind Boys of Alabama - Take My Hand

quarta-feira, 9 de maio de 2007

o dia perfeito

hoje o dia amanheceu nublado e com a temperatura mais baixa - o que é raro em minha região.
bem sugestivo pra ficar em casa namorando com a companhia perfeita.
debaixo do edredon ouvindo a trilha sonora de marie antoniette.

esse será o dia perfeito...